segunda-feira, 2 de julho de 2007

Marcas

Há pessoas que nos marcam para sempre. Que inevitávelmente continuam no nosso coração, de uma maneira ou de outra. Pessoas para as quais só queremos o melhor, que sejam felizes com quem elas escolherem, no caminho por elas traçado. E só esperamos poder acompanhar, na bancada ao longe, passivamente, o desenrolar da sua vida. Vamos vivendo a nossa, o melhor que podemos. Com mágoas e dias de choro, com sorrisos, vitórias, conquistas. Novas pessoas chegam a esse espaço, outrora ocupado e agora vazio. E dão novo significado, nova luz, preenchem lacunas, reavivam memórias, apagam algumas mágoas, alguns vicios, alguns medos. Vives de novo.
Mas as marcas antigas não desaparecem. Mudam de perspectiva, de categoria, de significado. Mas a lembrança está sempre lá, o bom e o mau. E é tudo isso que se guarda naquele cantinho do peito. Tudo isso nos permite viver em paz, felizes com as nossas escolhas, com as nossas vidas.
Não sou capaz de guardar rancor, de odiar. Porque me lembro de tudo o que me marcou. Depois de tantas memórias, de tanta vida, há que guardar, sorrir e olhar para o futuro. Confiantes de que tudo acontece porque tem que acontecer, e de que podemos sempre aprender qualquer coisa.
E um dia, mais tarde, quem sabe se não nos voltamos a encontrar, nós e as nossas marcas, quando a poeira assenta e o desconforto desaparece, para dois dedos de conversa e uma bica cheia.

A ti, que me marcaste um dia, e de quem nunca me esqueci.

3 comentários:

Morsa disse...

Eu bem que gostava que acontecesse o mesmo comigo...

But it takes two for tango and the other side can't dance...

Por mim era na boa!

Beijinhos

Tsuki disse...

gostei...
kase k podia ter sido eu a escrever... mas tlz mais negro, mais pesado... mas gostei...
mas marcas nao desaparecem... tornam-se simplesmente menos visiveis...

brigado...

code disse...

boa perspectiva ;)