sexta-feira, 25 de junho de 2010

"Só mesmo os pretéritos é que são perfeitos"

Escreveu a Helena.
E de repente senti aquela dor no peito, velha conhecida de outros tempos, que guardei numa caixinha num canto da alma.
"Somos a soma das nossas experiências, nada se perde. Só a ilusão de que somos donos das coisas e que controlamos o mundo" murmurei para mim. E a dor voltou a acalmar. E com ela esperei que a noite também lhe trouxesse paz, para pelo menos, conseguir dormir descansada.

1 comentário:

Gonçalo disse...

Fifs! Mudei de blog, fechei o outro e tenho um novo (presumo que o consigas ver no meu perfil aí de seguidor/stalker).
De qualquer modo está um pequeno post de despedida no antigo e antes disso, um post só para ti!
Beijo!*